quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Sandman - Estação das Brumas (capítulo 3)

As aves fantasmas 
Pousam em seus ombros
Pensamento e memória
Um copo de verso
E loucura


Há tanto queremos 
O que todos querem
Mas nem todos conseguem
O poeta do inferno
Na completude do signo
Em forma e idéia
Entre conjecturas e contradições
Entre versos e maldições
Entre madrigais e madrugadas
Bruma, Bruma, Brumas
                                     Brahma gelada]
Não saber o que quer
É barco na tempestade
Um barco de William Turner
Rumar sem destino
É encontrar-se com a morte
Sabe, peixinho dourado
Me disseram uma vez
Não há vento favorável
Pra quem não sabe onde vai

Nenhum comentário:

Postar um comentário