segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Postergar


Poster Asgard Poltergeist Postergar
Semana passada não postei
Minha poesia semanal da semana passada
Um  velho hábito
Tão feio quanto o próprio nome:
Postergar

Nomes feios são tão anti poéticos
Mistura de anti ético com anti estético
Danem-se os hifens
Algumas coisas não são tão ruins 
Quando são postergadas
A hora da morte
A demissão do trabalho
O 11 de setembro
Uma invasão alienígena
A traição de um amigo
Um ataque inimigo
A extinção de uma espécie
Meu choro de arrependimento
O fim do mundo
Ou do nosso amor

Já-Nunca oposição semântica
Jamais
Nunca mais
Postergue a poesia
Postergue, que palavra horrenda!
Algumas coisas não podem ser postergadas
A poesia
O nascer do sol
A volta do Cristo
O choro ao nascer
O perdão ao morrer
O momento do orgasmo
O sorriso apaixonado
O brilho das estrelas
A benção materna
A vida eterna
Ou o solo de guitarra Free Bird
O vôo do pássaro livre
A chuva que finda um verão ardente
O sol que finda um inverno congelante
Um poema brilhante
O fim de uma guerra
O perdão a quem erra
Não se pode postergar o amor
Não se pode postergar o presente
A vida presente
O passado e o futuro
É o que fazemos agora
















obs: o rei Ezequias teve a hora da morte postergada por mais quinze anos. Nada mal, Héin?


Nenhum comentário:

Postar um comentário