quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Esqueça as desgraças e as bençãos!!!

Sou estranho
Isso, já disse
Questão de sentir e pensar
Sabe, meu peixinho
Ver a vida em questões dicotômicas e dialéticas
Não é para pessoas normais
Por exemplo, meu peixinho lilás
Se soubésseis nadar pra trás
Ou voar ao invés de nadar
Nesse último caso, em particular
Não me transmitirias paz de aquário
Mas a liberdade que o vôo proporciona

Sabe, peixinho
À noite, ao deitar
Penso que o dia vivido foi uma benção
E ao acordar sinto o dia me aguardando
Com todo o trânsito automotivo diabólico
As caras odiosas nas filas de bancos
Questionários de RH
Vários telejornais pra uma única notícia
E todas a idiossincrasia do homem pós moderno
Alguns dias são mais difíceis que os outros
As bençãos deviam ser fáceis de aceitar

Ler a bíblia sempre me faz bem
Imaginando a paciência eterna
Do Criador para com a criatura
Pois bem, peixinho
Nada de pílulas hoje
Estamos em Shangri-La
E aqui sentimos que a vida é um lugar
Para o sentirmos bom
Para o sentirmos mau

Então, sintamos a vida algo bom
Como uma benção que não merecemos
Loteria que ganhamos sem jogar
Vem cá, me beija um pouco
Celebremos as novidades
Com um vinho velho e macio
E um queijo que pareça um beijo
Por favor, me ame
E me faça esquecer a vida
Quando o dia não for legal


segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Você já se olhou no espelho e se perguntou qual a razão de sua vida?





Fiz bem meu papel.

Há uma pergunta a fazer:

Sou o que escolhi ser?



quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Vilancete de amor adolescente

Mote

Será que eles não entendem
Que quem ama nesta vida
Às vezes ama sem querer


Voltas

Recebi conselhos e li os provérbios
Mas quando amei virei um tolo
Chamei os verbos de advérbios
Aprendi até a fazer bolo
Pensamos que amar é se negar
Que a liberdade é asa partida
Que amar é se perder é se prender
Será que eles não entendem
Que quem ama nesta vida
Às vezes ama sem querer


Quando me dei me libertei
E isso não é fácil de entender
Tipo: só sei que nada sei
E o que sei eles não vão saber
Que quando deito em teus olhos
E descanso na sombra do teu coração
Ganho uma esmolinha de prazer
Será que eles não entendem
Que quem ama nesta vida
Às vezes ama sem querer





Mote retirado da música " Minha flor, meu Bebê" de Cazuza

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Dor de garganta

Erros da juventude 
Já fiz versos para ser ouvido
Precisando de atenção
Tipo: beijando na boca
De pessoas que eu não queria beijar
Hoje faço versos ao contrário
Ao contrário de antes
Faço versos para poder falar
Para me redimir me exprimir
Então me redigi me espremi  
E me expeli
Expelir, verbo horrendo num verso
Mas é isso mesmo
Eu sei que meus versos continuam egocêntricos
Tantos eus 
Tantos mes
Mas quero falar do que me afeta
Seja ódio ou afeto
Do âmago das coisas
Não gosto dos russos 
Eles parecem gelo
Sem âmago 
Interior igual a casca
Do Maiakovski eu gosto
Será que tem muitos russos iguais a ele?
O que seria das pessoas se não houvessem os sentimentos?
Versos sem rima
Versos sem rumo
Versos que parecem falar
Mas na verdade, perguntam
É esse tipo de verso que faço
Quando estou com dor de garganta
E não posso falar
Fico apenas observando as pessoas
E me perguntando 
Por quê?


segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Travessia

File:Egyptian camel transport3.jpg



Sol. De passo em passo

Passei a vida assim. Andando

Com deserto em mim








imagem retirada do site wikimedia commons
File: Egyptian camel transport3.jpeg
author: american colony jerusalem
imagem de domínio público



quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Oração da criança que é criada sem o pai

De joelhos
Ao lado da pequena cama
Pequenas mãos juntas pelas palmas
Olhos fechadas
Voz infante
De quem possui o reino dos céus

Querido Deus
Esta semana estou muito triste
Domingo é o dia dos pais
E eu não tenho pai
Eu amo muito minha mãe
Mas ela não é meu pai
Eu não vou dar presente pro meu pai
Nem vou ganhar dele no dia das crianças
Meus coleguinhas tem pai
Alguns não tem e não se importam muito
Eu digo que não me importo
Mas por dentro fico muuuuuuuuito triste
O Ricardo disse que o pai dele trabalha muito
É mesmo que não ter
Mas ele tem
Minha mão disse que meu pai foi embora
E que eu não tenho culpa e que me ama muito
Por que ele não vem me ver, às vezes?
Eu não fiz nada de errado
Nadinha mesmo
Quando eu crescer vou procurar ele
E vai ser muito legal
Querido Deus
Mataram seu Filhinho na cruz
E ele também não fez nada de errado
Não fique triste também 
Se Você quiser eu deixo você ser meu Pai

Amém


terça-feira, 6 de agosto de 2013