sábado, 13 de julho de 2013

Um poeta no Rock - Syd Barret


Hoje é o dia mundial do rock e escolhi essa data pra lançar um novo quadro no meu blog que receberá marcador de blog “Um poeta no rock”. Rock e poesia são coisas tão subjetivas que não cabe dizer porque razão o rock atrai tanto os poetas ou porque rock e poesia se dão tão bem. Muitas coisas são intrínsecas tanto do rock como da poesia: a liberdade, a irreverência, a digressão, a transgressão, a juventude mental, a coragem, a busca insaciável do novo... poderia botar mais umas cinquenta e tantas coisas afins entre o rock e poesia-poema-poeta.
Pois bem, muitos de nós já ouvimos várias e várias vezes que fulano é o “poeta do rock”. Na verdade não sabemos quem na verdade é “O poeta do rock” porque vários já ganharam esse título ou alcunha, de tão comum que se tornou: Syd Barret, Kurt Cobain, John Lennon, Renato Russo, Pete Townshend, Bob dylan, Lou Reed, Ian Curtis... e por aí vai. Nossa intenção não é eleger “O cara” todos eles deram uma contribuição poética para o Rock and Roll, mas queremos tentar mostrar por que um cara desse já recebeu a denominação de poeta. O que há nas letras desses artistas que o destacaram para fora do circulo do rock e pode incluí-los no mundo das letras?
Vamos procurar abordar exclusivamente a obra escrita desses artistas para conhecer um pouco do trabalho poético desses caras e o primeiro da lista e o escolhido que irá fazer a abertura do nosso novo quadro é ninguém mais ninguém menos que o nosso querido: Syd Barret. Gênio? Louco? Criador do Pink Floyd? Poeta? Drogado? Visionário? Artista inovador?
Syd Barret anda longe de ser uma unanimidade em qualquer coisa, mas esses blog é meu? Esse texto é meu? Essa opinião é minha? E sim, Syd Barret era um gênio! Chamo de gênio qualquer pessoa ou artista que crie algo novo, que lance as bases de algo ainda não criado, que se sobressaia no modo de ver e compor algo e foi exatamente isso que Syd fez, algo genial. Syd Barret implantou ideias na formação do Pink Floyd que ultrapassaram as barreiras da banda e do próprio rock. Suas ideias consistiam em misturar poesias de caráter simbolista e estética surreal nas imagens das letras e da banda, criatividade na utilização dos instrumentos e de outros recursos sonoros, som imagem surreal + letra simbolista = psicodelismo; então não é à toa que ele é chamado o pai do psicodelismo. As ideias de Barret foram usadas e abusadas por outras bandas, outros artistas, outras expressões artísticas, permeou o Pink Floyd e todo o posterior rock chamado de progressista.
O ideal é que colocássemos uma biografia antes de qualquer coisa, pra economizar meu tempo e meu espaço, vá na wikipédia. Isso num foi legal, mas tô falando de rock pow! A coisa mais relevante que considero na biografia de Syd é a família desestruturada o que ao meu ver além de afetar a psique de Barret fez com que ele mergulhasse na arte ainda mais, visto que escrevia, tocava guitarra e pintava. Desde jovem ele apresentava o típico comportamento isolacionista comum em gênios da poesia.
Então vamos ao que interessa, poesia nua e crua colocada em cima de sons psicodélicos veja esses quartetos de Syd bem armados estruturalmente e com rimas paralelas:

Bob Dylan's Blues


Got the Bob Dylan blues
And the Bob Dylan shoes
And my clothes and my hair's in a mess
But cha know I just couldn't care less

Go on write me song
'Bout what's right and what's wrong
'Bout God and my girl and all that
Quiet, while I make like a cat


Effervescing Elephant

And all the jungle took fright,
and ran around for all the day and the night
but all in vain, because, you see,
the tiger came and said: "Who me?!
A temática desse texto(Effervescing Elephant) é demais; um tigre que assusta toda a floresta, mas na verdade devora apenas o elefante,você já imaginou isso na letra de um rock?
Outro aspecto estilístico muito usado por Barret a rima repetida por três vezes no poema:

no final dos versos

and every time I hear a growl
I'll know the tiger's on the prowl
and I'll be really safe, you know

ou no meio deles

It is Obvious

growing together, they ('re) growing each either
no wondering, stumbling, fumbling

The gnome
Wining, dining, biding his time
And then one day – hooray!

Obs:chamamos de eco a repetição dentro do verso.

A repetição é um recurso muito usado por Syd:
Maisie, Maisie, Maisie, Maisie...
bad luck, bride of a bull”

Veja agora uma combinação fantástica de fonemas na poesia Arnold Layne ou letra de música se preferir:
Collecting clothes
Moonshine, washing line”

Veja toda a plástica de aliteração em Collecting clothes e mais a brilhante combinação de monshine que combina com waSHIng e ao mesmo tempo com LINE.
Observando as estruturas dos versos e rimas, mais a utilização de recursos estilísticos bem próprios da poesia clássica, podemos dizer que Syd era um escritor instruído e de aptidão clássica. Acredito firmemente que Barret era fã dos escritores franceses( eu também srsrsrsr), por questões não só de estilos mas algumas temáticas bem peculiares, suponho que tenha lido os clássicos Baudelaire e Rimbaud. Por exemplo, a temática chave de uma estação no inferno de Rimbaud é a visita a um lugar poético onde ele experimenta tanto os prazeres como horrores indo do céu ao inferno literalmente. Veja então a tradução de um pedaço de Wined and dined de Barret.
Wined and dined, oh it seemed just like a dream!
Girl was so kind.
kind of love I'd never seen
only last summer, it's not so long ago...
just last summer, now musk winds blow...

tradução:
Bebido e jantado, ah isso parece ser um sonho!
Garota foi tão gentil.
Tipo de amor que eu nunca vi
Apenas no ultimo verao, não faz muito tempo...
Apenas no ultimo verao, agora sopram ventos de almíscar...

E agora o mestre Rimbaud:
Olmos sem voz, relva sem flores, céu aberto! -
Que podia beber nessas amareladas cabaças, longe. de
[minha choupana
Querida? Um licor de ouro que faz transpirar?


Agora a porra ficou séria, você já ouviu falar em Carpe Diem, curtindo a vida adoidado, e o famoso Fugere Urbem, outra estética clássica. Pois bem, vamos colocar a tradução de The Gnome, onde um gnomosinho esquisito mora no campo e curte a vida e o presente sem muitas preucupações e com roupas coloridas. E quando você acabar de ler me diga: esse gnomo é ou não é o Syd Barret?

O Gnomo

Quero te contar uma história
Sobre um homenzinho
Se eu puder
Um gnomo chamado Grimble Crumble
E pequenos gnomos que ficam em suas casas
Comendo, dormindo, bebendo vinho

Ele vestia uma túnica escarlate
Um capuz azul esverdeado
Que parecia lhe cair bem
Ele teve uma grande aventura
No meio do gramado
Ar fresco finalmente
Bebendo vinho, jantando, passando o tempo
E então um dia - hurra!
Uma outra forma para os gnomos dizerem
Oh meu

Olhe para o céu, olhe para o rio
Não é bom?
Olhe para o céu, olhe para o rio
Não é bom?
Bebendo vinho, encontrando lugares para ir
E então um dia - hurra!
Uma outra forma para os gnomos dizerem
Oooooooooomlay
Ooooooooooooooomlay




As traduções das letras foram tiradas do site: http://letras.mus.br se a tradução não é boa ou perfeita não vem ao caso, o importante é ter ficado transparente a poesia desse grande poeta chamado Syd Barret.
Se vc é fã do Syd vou colocar mais dois links, vale dar uma conferida:

http://www.recantodasletras.com.br/biografias/4127281

http://blog.cybershark.net/miguel/2010/04/09/syd-barrett-e-baudelaire/

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário