quarta-feira, 8 de maio de 2013

Sou poeta mas não sou romântico

O mundo moderno matou o romantismo
Toda fulga do real é loucura
E toda loucura é normal
Mataria a mim se fosse romantico
Mas ser poeta não me faz mau
Nem mal
Sentimentos verdadeiros e puros
Só acho nas mães
E nos cães
Canis familiares
O cão é da família, isso é lógico
O resto é aperto de mão de vendedor
Sorrisos televisivos
E vc pensava que eu era romantico
Já estaria morto
Que nem a flor do Drummond
Esquecida no meio do asfalto
E porque falo de amor?
Ora, meu amor, isso é a fuga da realidade!
Realidade escrota e fdp
Ou vc quer que eu bote meus boletos nos poemas?
Ou talvez, as faturas, crises matrimoniais,
Chefes de divisão vampiros sanguessugas
Trânsito parado com 39°c
Cancelamento de serviços pelo telefone
Filhos com narizes escorrendo
Eu até poderia...
O catarro verde luz brilhante
Desbotando o sorriso infante
Com rima e tudo
Os 300 de Gideão tiveram mais fé que coragem
É preciso coragem no romantismo
Vc não sabia
(vc nunca sabe de nada)
Ser romântico é difícil
É muuuuuuuuuuito difícil
Mas é preciso
Vamos ouvir o Roberto
O romântico
De tanto amor sua estupidez cavalgada
Amada amante
Acender umas velas
Receita especial de fondue
E vc sempre pede um poema romântico
Aff!!!
Só não me faça dizer que te amo
Subo em vc
Seu corpo é prancha
Surfando um solo de David Gilmour




9 comentários:

  1. tem dias que este desabafo cai bem. Na minha cidade o transito de repente ficou uma loucura. Começo a pensar que os carros deveriam ser mais caros. Os ônibus estão andando quase sem ninguém.
    E nesta tortura do DIA A DIA, perdemos o romantismo. As pessoas tem vergonha de dizerem que estão amando.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  2. Mas nós somos poetas Janice e não temos vergonha, não é mesmo?

    Abçs!

    ResponderExcluir
  3. ser poeta e nao ser romantico que imaginaçao fertil mais impossivel nao ser

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Einstein que dizia: a imaginação é tudo!

      Abç miguel!

      Excluir
  4. Fardo que alguns poetas carregam. Interessante você citar a flor no asfalto de Drummond, fala da chacina do humano com a natureza, mas também fala dos que sentem-se sozinhos, marginais em meio à loucura para os que se acham normais. O mal e mau ficou bem bacana também. Mas o que mais me chamou a atenção foi o fato de as pessoas que estão conosco gostarem da nossa poesia, e ao mesmo tempo quererem que sejamos realistas. Oras bolas. Não há poesia que aguente esse dia-a-dia de hoje, rotina que nutre o sistema, boletos bancários, trânsito, entre outras. Então acaba que não conseguimos dizer "eu te amo" em muitas situações e aí pode ser que acabamos perdendo uma de nossas essências, ou não. "Você não entende nada" de Caetano combina com seu poema, e foi bem colocado. Certa vez fui "apedrejado" por dizer que o único amor incondicional é o materno e a única fidelidade estrema é a canina. Que bom que alguém concorda comigo, rs. Óima leitura Allisson, cada vez melhor. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem nunca errou que atire a primeira pedra. Não é mesmo.
      Esse poema fala disso também, da expectativas que as pessoas criam, por sermos poetas, por sermos sinceros, por sermos o que devíamos ser mais do que o que somos de verdade. No fundo, às vezes penso que na verdade
      "somos quem podemos ser"
      Abç

      Excluir
  5. Adorei! ferve nas veias, quem não quer um poeta romântic, ainda mais quando se é a dona do coração dele, mas você é rock n' roll, não sabe falar baixinho, nem usar palavras que rimam, AMEI!!!

    ResponderExcluir
  6. Eliane, de sentimento vc entende, de bons sentimentos...

    obrigado pela visita, bjs pra vc!

    ResponderExcluir