quarta-feira, 15 de maio de 2013

As aventuras de Pi



Todo homem carrega um monstro no peito
Uma fera furiosa fera fera faminta fera
Que tudo que é bom e humano dilacera
Sobrevivendo do que há no corpo putrefeito

De ira, raiva, ódio e fúria este tigre é feito
Há quem pense que não tem esta pantera
Ela não dorme, hiberna, silente espera
A dor, a sede, a fome, o momento estreito

Veio a tempestade, o medo, sentimento impuro
Despertando o tigre, o mal, meu lado escuro
Tentei domesticá-lo com poesia e canção

Mas é indomável e implacável este gato
Não sei se o liberto, sufoco ou o mato
Ou se o deixo devorar meu coração



6 comentários:

  1. Também tenho este lado fera. Que quando fera estraçalha.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita Janice. Beijos!!!

    ResponderExcluir
  3. Mandou muuuuuito bem Allisson! Acho sensacional este lance de termos nossas feras adormecidas e em determinada momento colocarmos para fora, para poder sobreviver. isto tem muito a ver com a minha vida, precisei lançar mão de meu tigre, no caso leão, para poder chegar até aqui... O problema é que agora somos um só. Deixei-o devorar meu coração. Abraços meu amigo.

    ResponderExcluir
  4. Valeu Diego! Sua presença é sempre bem vinda parceiro!

    ResponderExcluir
  5. Temos tanto de fera, quanto de anjo, o convívio dos dois nos faz humanos, linda poesia meu amigo, beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembrei agora de Daniel na cova dos leõs.

      Um humano entre as feras e os anjos.

      bjs pra vc também!

      Excluir